betmotion

Portal Único reduzirá burocracia no comércio exterior, avalia CNI

A CNI acredita que o Brasil deve ter um compromisso com reformas estruturais, e também com medidas pontuais para melhorar o ambiente de negócios

"A CNI acompanhará com atenção essa iniciativa e colaborará, em tudo o que for possível, para seu sucesso" - Robson Braga de Andrade

Portal Único de Comércio Exterior é um passo importante para a redução da burocracia e o aumento da competitividade dos exportadores brasileiros. A avaliação é do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, durante o lançamento do mecanismo de simplificação do comércio exterior, nesta quarta-feira (23), em Brasília. "A CNI acompanhará com atenção essa iniciativa e colaborará, em tudo o que for possível, para seu sucesso. Estou certo de que essa ferramenta ajudará, e muito, as empresas brasileiras", afirmou Andrade. 

A CNI acredita que o Brasil deve ter um compromisso urgente e inadiável com reformas estruturais, mas também precisa de medidas pontuais para melhorar o ambiente de negócios. Para os industriais, toda ação que permita a ampliação e a facilitação do comércio exterior deve ser estimulada, pois facilitar a entrada e saída de mercadorias contribui para dinamizar e internacionalizar as empresas brasileiras, com efeitos diretos sobre a produção industrial e o emprego no país. 

BUROCRACIA - "Todos nós, empresários, sabemos que enfrentar as demandas do mercado externo exige adaptações, aperfeiçoamentos na produção, inovações e ganhos de escala", destacou Andrade. A pesquisa Entraves às Exportações Brasileiras, feita pela CNI (disponível para download ao fim do texto), mostra que 44,4% dos 640 exportadores consultados consideram a burocracia alfandegária o principal obstáculo para a exportação. Na lista de fatores que atrapalham o comércio exterior, a burocracia só ficou atrás do câmbio. No entanto, na época da coleta de dados, o dólar valia R$ 2,10.

Essas dificuldades afetam não apenas a indústria, mas todos os setores da economia e a sociedade. O diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi, lembrou que as pressões do mercado mundial atingem diretamente os produtos manufaturados, com impactos em toda a longa cadeia produtiva de fornecedores de insumos e serviços. "Se nossos produtos industriais não conseguem concorrer em igualdade de condições, a economia brasileira sofre. Criamos menos empregos, geramos menos renda e pagamos menos impostos", disse Abijaodi, durante a cerimônia de lançamento do Portal Único. "A CNI tem trabalhado, com outros representantes da iniciativa privada e com o setor público, na construção de uma agenda positiva. E o Portal Único faz parte dessa agenda", completou. 

Download de ArquivosPesquisa Entraves às Exportações Brasileiras (PDF 645 KB)

Mais notícias

Relacionadas

Leia mais

Seis representantes da indústria falam da importância do acordo Mercosul–União Europeia
Parceria Transpacífico afeta 35% das exportações brasileiras, afirma gerente-executivo da CNI
Logística e tarifas alfandegárias são os principais obstáculos às exportações brasileiras

Comentários

betmotion Mapa do site